quarta-feira, 29 de maio de 2013

O novo orgasmoball




Alfonso Procópio,
Consultor sentimental e colunista
Por alguma fatalidade genética, algum descaminho na alardeada miscigenação que resultou no feliz homem brasileiro, eu, nordestino e pouco homem, não tenho bigode. Falta a mim aquilo que fez tantos, de Super Mário (este bigodudo pelos pixels de seu tempo) a Fred Mercury (bigodudo por sua moniquice), homens possíveis de reconhecimento imediato, por ostentar no rosto a marca maior de seus hormônios em flor, de sua machidão resoluta e, no fim das contas, de um adereço natural tão precioso que mesmo o desleixo que o deixa crescer é cinicamente chamado de cultivo.
Nunca me fez falta o tal bigode. Minha imaginação contrastava o encanador italiano com um velho barrigudo comedor de sopa e fumante, e qualquer pretensão bigodística ia pro saco ao lembrar que figuras como Hittler e Sarney também poderiam assinar sentenças de morte com fios de aristocráticos mustaches.
Mas os tempos são outros, caro leitor, tempos confusos e impiedosos para nós. Explico:
O bigode é o novo orgasmoball, o novo consolo, novo pozinho de bruxa, o novo Kid Bengala.
E não começa com ele.
Qualquer passada de olho em filmes ou publicações pornográficas recentes, ou qualquer foto de mulher pelada vai mostrar uma total ausência de pelos. Aquilo que dava personalidade às xerecas nas décadas passadas, com desenhos variados, mensagens cifradas, abundância e arquitetura deu lugar a um vazio total que não só infantiliza o objeto, como tira do enlace boa parte de seu mistério, deixando o pobre macho perdido, sem o cheiro de selva molhada que era o antegosto da caça. No minimalismo contemporâneo, que deixa ali somente um traço reto apontando para o sul, uma seta, resta ao homem não apreciar, porque não há mais uma construção, mas deleitar-se sem rodeios ou cafunés. Aquela coceira na ponta do nariz, o formigar nas bochechas e a tapeçaria convidativa deu lugar a um vazio e, se você chegar um pouquinho atrasado, a perigosos e desagradáveis penicos.
Exceto se você tiver um bigodón!
Do mundo das xerecas desbastadas, parece, como uma resposta da natureza, emergir cada vez mais a figura do macho de bigode, como a dizer a elas que o que lhes falta lá embaixo nos sobra aqui em cima. O bigode seria uma tomada de posição.
Só que não. Ou não só.
Uma amiga, detratora empedernida das taturanas faciais, me confessou, assanhadíssima, ter pirado no desempenho de um rapaz com cara de Nietsche. “O bigode do cara era tão grande”, disse ela, “que eu achei que era uma barba” (barba ela curte). Na hora agá, quando a descalcinhada revelou o óbvio contorno completo da minha amiga, e o moço se pôs a trabalhar naquele canteiro de obras abandonado, a moça sentiu subir-lhe pelas entranhas a mesma força que sentiu Benjamin Franklin ao empinar seu papagaio.
Eletricidade. Troca de cargas constante entre a pele perfumada da minha amiga e o espanador acaju do rapaz. Eletricidade estática. A mesma que faz folhas de papel não desgrudarem.
Nada de vibradores, cassetetes ou o caralho, que mesmo o caralho do rapaz não chegou perto da experiência do bigode. Quanto mais o moço ia e vinha ela lhe pedia que falasse e cada palavra dele era uma descarga discreta e direta, como a que a gente sente ao colocar na língua uma bateria 9 volts. Antes aquilo não acontecia, segundo ela, porque ela mesma atrapalhava com seu monte de vênus.
Agora ela anda espalhando por aí, convicta, que o bigode é o novo orgasmoball. Conta a coisa procedimentalmente, e calhar é capaz de meter um multímetro na xereca pra quantificar o amor que lhe dão.
Fica a dica.

(Texto de Bruno Azevedo, Escritor e tradutor maranhense,  autor de livros como "O Monstro Souza [Romance Festifud]" e "Breganejo Blues - Novela Trezoitão", "Baratão 66" e "A Intrusa", folhetim publicado mensalmente no jornal Vias de Fato. Formado em História, com mestrado em Ciências Sociais, também é pesquisador e professor universitário e honra a MatracaDigital oferecendo o seu texto para publicação no nosso modesto blog cultural.)

Nenhum comentário:

Total de visualizações de página

Quer pesquisar assuntos neste blog ?

Para pesquisar matérias neste blog simplesmente digite uma palavra chave, que pode ser o nome de alguém ou mesmo temas gerais como "poesia" ou "música" na caixa de pesquisa localizada na barra superior ao lado da expressão PESQUISAR BLOG, bem acima na tela, e todas as postagens relacionadas serão exibidas.

Barra de vídeo - Veja alguns vídeos da MatracaDigital

Loading...

DICAS DE VIDEO:

Matérias em video podem demorar um pouco para iniciarem. Isto se dá pelo fato de que é necessário que o YOUTUBE faça um "cache", uma reserva de armazenamento, na sua máquina antes de iniciar. Tenha paciência. Caso prefira, tecle no botão de pausar e aguarde até que a barra inferior esteja completamente vermelha e ai então tecle no botão de PLAY e veja o seu video sem nenhuma parada.
A empresa speedbit tem um excelente softwere gratuito que pode ser baixado no
www.baixaqui.com.br que aumenta a velocidade de vídeos do YOUTUBE chamado de "speedbit video accelerator".

Postagens populares

Minha lista de blogs

Seguidores

Pesquise no google:

Google

Quem faz o matracadigital ?

Oferta MercadoLivre: